Sua empresa acumula conhecimento? Veja o que a estagnação pode causar

7 minutos para ler

Você sabe o que é a gestão do conhecimento nas empresas? Ter muitas informações não é garantia de sucesso, o que faz avançar é a gestão.

Nos últimos 20 anos o mundo sofreu muitas transformações, a partir dos avanços nas tecnologias da informação ganhamos um novo comportamento.

Com possibilidades cada vez maiores de nos comunicar, passamos a ter uma visão mais ampla das ideias, hábitos e costumes das pessoas e de corporações em toda parte do mundo. E esse contexto globalizado, trouxe uma troca de conteúdo rápida e ágil, o que resultou em um acúmulo de informações.

Difícil de ser competitivo apenas  sabendo muito.

Para se destacar é importante conseguir entender e aplicar o que se sabe, é preciso ter conhecimento.

Mas afinal, informação e conhecimento são diferentes?

O que é informação, dado e conhecimento?

Dados são informações que não foram trabalhadas, é um conjunto de referências em estado bruto.

Os dados isolados não possuem relevância, mas dentro de um contexto originam uma informação.

Informação é o resultado do processamento e organização dos dados. Com um fluxo de informações bem estruturado é possível construir o conhecimento.

Conhecimento deriva da informação, mas é estruturado e adaptável.

É uma informação que se transforma de acordo com as experiências. O conhecimento é fruto de um processo que resulta em uma aprendizagem.

Essencial para o crescimento das pessoas e organizações o conhecimento foi estudado e dividido entre explícito e tácito.

O conhecimento explícito é fácil de ser comunicado. Pode ser expresso em palavras ou números e transmitido de forma sistemática.

São as especificações, manuais, fórmulas, expressões matemáticas.

O conhecimento tácito é pessoal e difícil de formalizar. Envolve a experiência de cada indivíduo, suas crenças, hábitos, valores, emoções.

gestão do conhecimento nas empresas

É subjetivo e complexo de reproduzir.

Segundo Dalkir, K. em sua publicação Knowledge Management in Theory and Practice:

“Apenas 20% do conhecimento valioso para as organizações é capturado, codificado, ou tornado tangível e concreto de alguma forma (explícito). A outra parcela está incorporado nas pessoas e não em documentos e sistemas computacionais”.

Entendendo a importância desse conjunto de conhecimentos, as corporações estão valorizando e estimulando cada vez mais esse potencial e explorando de maneira estratégica.

Não basta apenas saber muito, o que faz a diferença é como você pode avançar com esse conhecimento.

Dentro de uma estrutura organizacional o grande desafio é desenvolver uma cultura que se torne uma prática o compartilhamento de informação e do conhecimento.

Cada colaborador detém uma carga exclusiva de experiências que é o seu grande diferencial.

Transformar isso em conteúdo relevante e coletivo faz parte de um longo processo.

Investir nesse valioso capital humano passou a fazer parte da cultura empresarial e fator determinante de sucesso.

A maneira de aproveitar melhor o conhecimento de cada integrante da equipe é praticar a gestão do conhecimento nas empresas, que significa estimular e facilitar a troca de conhecimentos em toda a empresa.

Como fazer a gestão do conhecimento nas empresas?

O conceito de gestão do conhecimento nas empresas se popularizou no início da década de 90 e mais do que um modismo se consolidou no decorrer dos anos como uma ferramenta de estratégia empresarial.

O termo Gestão do Conhecimento provém do inglês “knowledge management” e pode ser considerado um processo corporativo que envolve gestão do capital intelectual, aprendizagem organizacional e educação corporativa.

Entendendo que cada colaborador possui experiências individuais e diferenciadas, as corporações começaram a investir na área de gestão do conhecimento, valorizando e facilitando o intercâmbio das ideias.

Essa prática passou a ser adotada por muitas corporações com o propósito de conquistar uma excelência organizacional .

Prestar atenção e valorizar seu capital intelectual passou a fazer parte de uma gestão estratégica.

A tarefa não é fácil, a implantação e manutenção da gestão de conhecimento percorre um longo caminho sendo necessário investimentos que vão desde a implantação da cultura até os sistemas de tecnologia da informação.

As organizações que ainda não aderiram e não praticam a gestão do conhecimento podem sofrer com essa inércia.

A estagnação reflete no  desenvolvimento e crescimento das empresas, comprometendo sua vantagem competitiva.

Como as empresas que acumulam conhecimento podem sofrer com a estagnação?

  • Problemas e dúvidas já solucionados podem não ter sido disseminados na empresa e tomarem tempo dos colaboradores em novos processos de discussão.
  • A morosidade em solucionar problemas pode aumentar os custos operacionais.
  • Dicas simples podem facilitar atividades do dia-a-dia.
  • Colaboradores que não reciclam seus conhecimentos tendem a utilizar mais tempo para fazer tarefas descomplicadas.
  • Conhecimentos gerados e não compartilhados atrasam o avanço das atividades.
  • O conhecimento nas organizações quando não gerenciado e filtrado corretamente pode trazer impactos negativos.

De acordo com o conceito do European Guide to Good Practice in Knowledge Management

“A gestão do conhecimento é a gestão das atividades e processos que promovem o conhecimento organizacional para o aumento da competitividade por meio do melhor uso e da criação de fontes de conhecimento individuais e coletivas”.

Quando uma instituição consegue processar o conhecimento individual e melhorar o conhecimento organizacional é possível atingir patamares diferenciados de crescimento.

É comum enfrentar dificuldades durante o processo de implantação e conseguir escolher uma boa ferramenta para fazer a gestão do conhecimento pode fazer toda a diferença.

Existem diferentes ferramentas para a gestão do conhecimento?

Sim, muitas ferramentas foram criadas para colaborar com o processo de transferência de informação e de conhecimento nas corporações.

O conhecimento deve ser transferido com um processo simples  e para que isso aconteça é importante fazer a escolha certa.

Podemos afirmar que quando bem praticada a gestão do conhecimento nas empresas estimula os colaboradores deixando-os mais motivados no dia-a-dia.

Atualmente empresas que investem recursos em seu capital intelectual estão investindo também na sua capacidade produtiva e na possibilidade de ser mais competitiva.

Dessa forma surgiu a Working Better.

Como o próprio nome diz, o propósito é de ajudar as empresas a trabalharem melhor, gerando mais força e felicidade.

Se uma empresa é mais produtiva, ela pode conquistar mais resultados, e essa soma confere maior força para ela.

Sendo assim, uma equipe que produz, que sabe o que fazer e é útil para empresa, sem dúvida alguma trabalhará com mais felicidade e satisfação.

Diante dessas premissas, a Working Better desenvolveu um modelo diferente, com novas tecnologias, constituindo muito mais que um treinamento.

Por isso que os nomes “curso” ou “treinamento” não são usados, atribuindo-se o termo “modelo prático de gestão”, que conta com diversos temas nas áreas de Marketing, Vendas e Comunicação.

A Working Better oferece um pacote que objetiva implantar na empresa uma boa prática de atuação, ou seja, ajudá-la a efetivamente pensar e agir melhor, já que todo esse capital intelectual deve ficar na própria empresa e não apenas na cabeça de alguns funcionários.

Você também pode gostar

Deixe um comentário