Qual a importância da gestão de pessoas nas organizações? Entenda!

6 minutos para ler

O conceito de gestão de pessoas nas organizações é uma grande evolução em relação às antigas políticas de recursos humanos. Como os próprios nomes indicam, migramos de uma realidade na qual os funcionários eram vistos como recursos para uma abordagem mais humanizada.

No entanto, essa mudança envolve muito mais do que esse aspecto — por mais importante que ele seja. No passado, as pessoas executavam tarefas muito mais mecânicas e operacionais, mas na atualidade o bom resultado depende cada vez mais de competências relativas ao intelecto, à racionalidade, capacidade analítica, capacidade de adaptação, comportamentos e à cultura do colaborador.

Para gerir essas aptidões as empresas precisam gerenciar os indivíduos, uma vez que existe interdependência entre as capacidades da organização e as dos colaboradores. Contudo, essa necessidade revela apenas a importância mais elementar da gestão de pessoas nas organizações, e há muito mais o que refletir sobre o tema. Então, continue a leitura deste post e confira!

O que é a gestão de pessoas?

Para começar, podemos definir a gestão de pessoas como um conjunto de políticas, boas práticas, ações e ferramentas com o objetivo de desenvolver o capital humano da empresa.

Isso significa que, em vez do departamento de pessoal focar em atividades mais burocráticas como o registro dos colaboradores nos formulários exigidos pela lei, o objetivo é aplicar uma estratégia completa de desenvolvimento dos contratados para que eles exerçam todo potencial produtivo, criativo e estratégico.

Desse ponto de vista, o funcionamento da gestão de pessoas se concentra em atividades motivacionais, de comunicação, feedback, capacitação, desenvolvimento de competências e do trabalho em equipe.

Além disso, também ocorre uma grande mudança na relação entre o colaborador e a empresa. É preciso notar que existem interesses divergentes entre a organização e seus contratados, pois é natural que as equipes desejem cada vez mais benefícios e ganhos, e a empresa tem limitações na sua capacidade de atender essas expectativas.

Ao assumir uma abordagem mais humanizada, a gestão de pessoas facilita o equilíbrio e o entendimento em relação a esse aspecto.

Quais as vantagens da gestão de pessoas nas organizações?

Desenvolvimento e retenção de talentos

Segundo revelado por Curt Coffman, da The Gallup Organization, apenas 28% dos funcionários estão engajados ou buscam ativamente o melhor desempenho. Esses estudos da Gallup são relativos aos Estados Unidos e vão além, ao demonstrar que esse envolvimento dos colaboradores tem um impacto direto nos resultados.

Times mais comprometidos conquistam um número maior de clientes engajados, que, por sua vez, impulsionam o crescimento e a lucratividade de longo prazo. Portanto, a gestão moderna implica na busca de práticas de desenvolvimento, retenção e valorização dos talentos.

Ao assumir uma abordagem mais humanizada e empática em relação aos colaboradores, a gestão de pessoas cumpre perfeitamente com essa importante função.

Aumento do desempenho dos colaboradores

As práticas envolvidas buscam muito mais do que reter as pessoas com maior capacidade de gerar valor para o cliente e para o negócio. Elas procuram elevar esses talentos ao máximo do potencial de cada um. Portanto, a gestão de pessoas tem impacto direto na melhora de desempenho dos colaboradores.

Em outras palavras, ela busca o melhor de cada um. Desse ponto de vista, o desempenho superior é mais do que um resultado, visto que faz parte da essência do gerenciamento de indivíduos nas organizações.

Melhora do ambiente de trabalho

O ambiente de trabalho e a cultura organizacional sempre foram cruciais, mas aumentam de importância à medida em que as organizações se dedicam à inovação e dependem da criatividade dos colaboradores para se adaptar as profundas mudanças que estão em curso.

Vivemos em um momento de transição de uma sociedade pós-industrial para uma altamente digitalizada. As empresas incapazes de criar um ambiente propício para incorporar tais alterações passarão por sérias dificuldades.

Tenha em mente que essas mudanças não estão limitadas à simples adoção de novas tecnologias, pois elas são apenas ferramentas. A verdadeira transformação ocorre nas pessoas, que dependem de um ambiente empresarial favorável que, por sua vez, é mais facilmente construído com as práticas desse tipo de gestão.

Aumento do alinhamento com os objetivos do negócio

De nada adianta ter os melhores talentos, o melhor ambiente e o máximo de desempenho se esses ganhos não tiverem foco. A gestão de pessoas adota boas práticas de comunicação e feedback, que facilitam o alinhamento em torno de um propósito comum.

Isso evita frustrações de todas as partes envolvidas, que são bastante comuns, pois sem esse alinhamento os colaboradores se comportam do modo que lhes parece mais adequado e que, necessariamente, não é o desejado.

Qual a relação entre o capital de conhecimento da empresa e a gestão de pessoas?

Nenhuma atividade que envolva pessoas obtém o melhor resultado em um passe de mágica. Elas são diferentes, têm necessidades distintas, percepções particulares e reagem cada uma do seu modo. Por isso, a gestão de pessoas nas organizações deve ser percebida como uma atividade contínua.

Além disso, não é razoável esperar que as lideranças a desenvolvam sozinhas. Cada um dos colaboradores deve entender a importância da gestão de pessoas, perceber o que tem a ganhar com ela e se comprometer com os processos e com o seu próprio desenvolvimento.

Isso significa dizer que a organização precisa criar um capital de conhecimento sobre todas as práticas envolvidas nesse gerenciamento. Ele deve ser acessível, compartilhável e compreendido por todos.

Por isso, um das principais demandas da gestão de pessoas é o desenvolvimento de um programa de capacitação contínuo, que começa com a identificação das prioridades de solução e o desenvolvimento de ações de treinamento voltadas para resolvê-las.

Assim, podemos resumir a gestão de pessoas nas organizações em uma política de valorização da capacidade de realização humana. Ao assumi-la, as empresas reconhecem que, muito mais do que equipamentos, softwares, prédios e patrimônio, um empreendimento depende principalmente do capital humano. É ele que faz o negócio ser o que é.

E aí, gostou deste post? Então, aproveite para complementar sua leitura e ficar sabendo também o que é preciso para administrar uma empresa com sucesso!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-