Cases de Sucesso: Como ter Sucesso Investindo em Capital Intelectual

7 minutos para ler

“Capital intelectual nas empresas”. Com certeza você já ouviu esse termo alguma vez.

Pois então, saiba que esse vem se tornando um dos principais elementos, se já não for o principal, agregadores de valor para a companhia.

É isso mesmo, a importância da gestão do capital intelectual nas empresas tem crescido cada vez mais e, inclusive, tem grande relevância como vantagem competitiva no mercado.

O Capital Intelectual nas Empresas

Antes de partirmos para os cases de sucesso, acho válido explicar melhor para você o que é, qual a importância e como isso funciona na prática.

Nós sabemos o que é utilizado pelas empresas e que deve ser parte do capital intelectual, mas você sabe?

Pois bem, o “capital intelectual” é todo o conhecimento que a empresa possui, esteja ele armazenado em arquivos, documentos e procedimentos, ou nas pessoas que compõem sua equipe, e pode ser dividido nos três elementos a seguir:

  • Capital Humano: está relacionado aos colaboradores e a todas as pessoas que compõem a empresa, agregando valor através de seus conhecimentos adquiridos com base em experiências e aprendizados.
  • Capital Estrutural: é a próxima etapa, ou seja, quando a empresa integra os conhecimentos obtidos através do capital humano, armazenando-os em banco de dados ou transformando-os em operações e procedimentos.
  • Capital Relacional: vem a partir da relação da empresa não só com o consumidor, mas com todo o público externo e que acaba tendo uma ligação com a companhia.

Mas afinal, qual é a importância do capital intelectual nas empresas? Há uma frase que, na minha opinião, responde bem a essa dúvida:

“Capital humano significa capital intelectual. Um capital invisível composto de ativos intangíveis. O valor de mercado das organizações não depende mais apenas do seu valor patrimonial físico, mas principalmente do seu capital intelectual”. (Chiavenato)

E o que isso quer dizer? Bem, basicamente que, hoje em dia, não basta mais só investir em estrutura, equipamentos e afins, é preciso apostar nas pessoas, cultivando seu conhecimento e incentivando-as a compartilhá-lo com os outros e com a empresa.

Esse é o caminho para que as organizações não só inovem e se desenvolvam, mas também solucionem problemas e gerenciem crises com muito mais eficiência.

Toda ideia surge do contato com outros indivíduos, de aprendizados e de outras experiências que não deram certo ou que foram bem-sucedidas. E isso tudo é capital intelectual, a famosa “bagagem” ou “experiência”.

A questão é que a empresa possuir uma política como essa, que valoriza o conhecimento do ser humano e a experiência que pode agregar ainda mais informações à “bagagem” da sua equipe, propicia não só a melhoria nos processos, como também a redução de custos, aumento da lucratividade, surgimento de inovações, entre outros.

Cases de Sucesso

Talvez você ainda não tenha se convencido da importância do capital intelectual nas empresas para o seu empreendimento, mas eu tenho certeza que você vai passar a vê-lo com outros olhos depois de ler sobre quem deu certo.

B2 Agência de Comunicação

A B2 é uma agência que organiza festas de formatura.

Ela começou quando seu idealizador, Ricardo Buckup, ainda estava na faculdade, a partir da necessidade de um público específico (universitários pré-formandos) por um serviço diferenciado (festas de formaturas criativas e inesquecíveis).

Aliando a demanda e o conhecimento acerca da necessidade e do desejo dos universitários – ele mesmo era formando da FGV na época –, Ricardo se pautou na chamada “economia criativa”, investindo em excelência, mas principalmente, no seu próprio conhecimento e da sua equipe sobre o que o consumidor deseja.

Dessa forma, aliando criatividade e conhecimento, através do capital intelectual humano e relacional, a B2 cresceu 89% em 6 anos.

Tecnoblu

Ao contrário do case anterior, não foi a demanda e a necessidade de um produto diferenciado que atraiu o idealizador da Tecnoblu, Cristiano Buerger, a criar sua empresa.

Como ele já trabalhava no setor, decidiu entrar com o próprio negócio, atraído pela lucratividade e pela possibilidade de empreender. Entretanto, sem investir em conhecimento específico, acabou tendo muitas dificuldades.

Vou aproveitar para fazer um parêntesis aqui.

A questão do capital intelectual que, por sinal, vai ficar claro nesse case, é que ele ainda é subvalorizado, por isso que muitas ideias não chegam ao sucesso e, muitas vezes, sequer saem do papel.

Investir em conhecimento para si e para a sua equipe, além de valorizar experiências e a troca de todas essas informações, é imprescindível se você deseja que a sua empresa prospere.

Mas voltando à Tecnoblu, o Cristiano só conseguiu resolver os problemas e retomar o crescimento da empresa depois que procurou se capacitar e buscou informações sobre o setor, visitando uma feira internacional que expandiu seus horizontes e fez a sua empresa aumentar e ter o destaque que tem atualmente.

Se você observar bem esses dois exemplos, vai perceber que nem só de uma boa ideia, de “feeling” ou investimentos materiais vive, ou até sobrevive, uma empresa.

Hoje em dia é importante que o gestor e toda a equipe se mantenham atualizados, seja através de cursos e treinamentos, ou pela troca de experiências e conhecimentos adquiridos.

Além disso, investir na gestão de pessoas e recursos humanos voltada para o capital intelectual não só pode gerar um crescimento da empresa, como também evitar que ela oscile.

Sendo assim, o conhecimento armazenado é capaz não só de gerenciar crises mas também de evita-las, permitindo que os envolvidos encontrem caminhos e oportunidades diferentes.

Porque a Working Better é a Solução para a sua Empresa

Agora que você entendeu um pouco mais sobre capital intelectual nas empresas, eu tenho certeza que deve estar se perguntando como você pode inserir isso na sua empresa, certo?

Bem, a WORKING BETTER pode ajudá-lo nesse processo, através de um treinamento chamado “Método Prático de Atuação”, onde a empresa tem acesso não só ao curso, propriamente dito, mas ao pacote completo detalhado abaixo:

  • Videoaulas online e guias em pdf: criados por especialistas, com uma linguagem acessível e um conteúdo cuidadosamente preparado;
  • Área colaborativa virtual: onde a sua equipe poderá participar de fóruns e interagir, trocando conhecimentos e experiências;
  • Mentoria tira-dúvidas: com profissionais capacitados e orientados para ajudar os seus colaboradores com dúvidas a respeito do conteúdo ou das atividades a serem desenvolvidas;
  • Ambiente online: onde os membros da sua equipe poderão desenvolver e preencher um projeto voltado para a sua empresa;
  • Biblioteca corporativa: para que o conhecimento não fique retido em algumas pessoas e possa ser internalizado na sua empresa.

Através desse “Método Prático de Atuação”, a sua equipe não vai apenas assistir às aulas, como nos cursos tradicionais, mas aliar o conhecimento obtido no curso com o conhecimento desenvolvido através do projeto criado com base em uma situação na sua empresa, incentivando a criatividade e investindo no capital intelectual.

Você também pode gostar

Deixe um comentário