Autonomia no trabalho: como incentivar os funcionários?

13 minutos para ler

A autonomia no trabalho é uma importante estratégia para a gestão de pessoas e para o desenvolvimento e crescimento de qualquer negócio. Contudo, muitos líderes ainda resistem a essa ideia por acreditar que assim perderão o controle.

Fato é que, na realidade, a autonomia ajuda a aumentar a produtividade e a capacidade criativa. Ela proporciona maior participação da equipe nas atividades e nos resultados da empresa. Existem diversos modelos de trabalho que visam à valorização da autonomia. Muitas organizações desenvolvem seus próprios ou utilizam algum já consolidado, efetuando as adaptações necessárias à sua realidade.

Neste post, apresentamos a importância não só desse conceito, mas também da gestão participativa e como você pode incentivar seus funcionários a desenvolvê-las. Confira!

Entenda a importância da autonomia no trabalho

A falta de autonomia no trabalho é um dos principais motivos para a insatisfação de colaboradores e, até mesmo, para o desligamento de profissionais de uma empresa.

O funcionário que tem liberdade para tomar decisões e fazer sugestões que serão levadas a sério de verdade sente segurança no seu próprio trabalho e se empenha muito mais para honrar essa confiança.

A autonomia na rotina empresarial oferece condições para que os líderes possam fazer a gestão de talentos e para que um profissional (ou toda uma equipe) se sinta confiante em realizar tarefas complexas.

Entretanto, deve-se ter em mente que dar autonomia não quer dizer simplesmente delegar tarefas e conferir responsabilidades. É necessário fornecer treinamentos adequados, levando em conta aspectos técnicos e gerenciais.

Os colaboradores devem ser capacitados para não confundir autonomia com tomar atitudes e decisões isoladas, recusar ajuda, descumprir acordos, desconsiderar o outro e agir com arrogância e prepotência.

Todos devem entender que essa liberdade significa ter a capacidade de estabelecer relações numa via de mão dupla, implicando responsabilidade, iniciativa, decisão e possibilidade de falar em nome próprio, arcando com as consequências.

Saiba incentivar os colaboradores a ter autonomia

A autonomia no trabalho promove a autogestão dos profissionais, permitindo que desenvolvam a capacidade de administrar suas próprias atividades e rotina. As constantes intervenções de gestores podem impactar o desenvolvimento do colaborador, reprimindo suas habilidades.

Contudo, há premissas básicas para que seu funcionário trabalhe bem sem depender da supervisão contínua, como a necessidade de a empresa ter processos bem definidos e métodos de trabalhos.

Pesquisadores do crescimento das Pequenas Empresas dizem que esses dois itens são fundamentais para manter o caminho em busca dos objetivos. Ou seja, se todos estiverem trabalhando corretamente a autonomia é viável.

Atrelado aos processos e métodos, os gestores devem estabelecer uma visão compartilhada dos objetivos, ou seja, “o que é importante acontecer”. Com esses três aspectos, o alicerce está firmado para construir uma equipe madura que não dependerá de controle ostensivo.

Muitos empresários ainda acham que utilizar métodos pode engessar ou atrasar a operação, no entanto é exatamente o contrário que acontece. A empresa investe tempo para desenvolver o método, como toda atividade, no início é mais trabalhosa, mas após virar hábito os ganhos de estratégia e desempenho serão inegáveis.

Algumas ações são indispensáveis para incentivar a autonomia dos funcionários e fomentar o aprimoramento contínuo em busca de mais eficiência e produtividade. Veja as principais abaixo!

Inspire confiança

Conceder autonomia aos funcionários é um dos fatores que promove a motivação dos integrantes da equipe e influencia a produtividade e os resultados da companhia. Mas deixar seu colaborador tomar decisões exige muita responsabilidade e paciência.

Pode ser que ele erre, resultando em alguns custos extras. Caso isso aconteça, você deve se posicionar como um líder preparado, que entende que falhas acontecem de qualquer forma, sem reprimir a liberdade concedida.

Uma pessoa com medo de errar tem grande dificuldade de agir por conta própria, de correr riscos e de aprender a antecipar e resolver situações. Quem erra aprende com os erros e se torna mais maduro e capaz para lidar com os negócios.

Mostre aos seus subordinados que você entende pequenas falhas. Isso fará com que tenham mais confiança na sua liderança e neles mesmos, além de trabalharem mais motivados e satisfeitos.

Aposte na transparência

Todos os membros da equipe precisam conhecer os objetivos e as metas da organização com muita clareza e estar cientes de todas as etapas dos projetos, para caminharem na mesma direção rumo aos resultados desejados.

Implemente uma ferramenta de comunicação interna que permita aos colaboradores conhecer os projetos e as metas no curto, médio e longo prazos. Dessa forma, quando elas forem alcançadas, todo o time comemora junto o sucesso do trabalho bem-feito.

Crie metas e indicadores claros

Estabeleça metas, bem como indicadores que serão utilizados para medi-las, que sirvam como uma bússola que norteia sua equipe sobre qual caminho trilhar.

Com elas, os profissionais terão mais liberdade de agir e tudo ficará mais simples. Eles saberão aonde devem chegar, fazendo o caminho que preferir. Assim, você otimiza o tempo e, ainda, tem a certeza de que a empresa está se movendo rumo ao sucesso.

Para que tudo funcione como previsto, crie metas de fácil compreensão e tangíveis. Os indicadores devem funcionar do mesmo modo — fáceis de entender e monitorar — para que o time saiba onde deve agir para corrigir possíveis falhas.

Tenha uma relação equilibrada com seus funcionários

Um ambiente de trabalho agradável é essencial para o crescimento sustentável de uma organização. Funcionários felizes e saudáveis são mais proativos, criativos e produtivos, e tudo isso também é fruto de uma relação equilibrada entre líderes e subordinados.

Nunca use de agressividade com seus colaboradores e jamais permita que haja desrespeito entre eles. Valorize quem ajuda a construir e solidificar a sua marca, independentemente do cargo ou posição que ocupa.

Isso fará de você um líder admirado, inspirando sua equipe com seu estilo de gestão para agir em nome da companhia e fazer jus à autonomia recebida.

Deixe que eles conquistem a autonomia no trabalho

A falta de autonomia no trabalho causa desmotivação, desengajamento, queda na produtividade e qualidade, ausência de confiança e processos mais lentos. Por isso, é importante dar aos profissionais a oportunidade e as condições de conquistarem essa independência que, inclusive, ajuda a reter talentos.

Permita que exponham suas ideias e sugestões e que tomem decisões sobre suas atividades. Incentive a liderança para que possam desenvolver a capacidade de lidar com novas e importantes responsabilidades e diversas habilidades que se refletirão diretamente nos alcance das metas.

Invista na capacitação dos funcionários

A construção de um time autônomo, criativo, eficiente e eficaz passa pela capacitação dos funcionários. Para delegar tarefas confiando nos resultados, é necessário investir em um treinamento que tenha por objetivo fomentar um desenvolvimento de alta performance, o crescimento profissional e a tomada de decisões.

Vale ressaltar que esse é um processo contínuo por meio do qual é possível desenvolver e trabalhar:

  • a visão de interdependência entre todos os profissionais que fazem parte da equipe;
  • o reconhecimento dos próprios limites;
  • o respeito ao próximo;
  • a lealdade na competição;
  • a atitude de arcar com as consequências das próprias ações, sejam elas positivas ou negativas;
  • a autocrítica permanente.

Crie planos de carreira

Nada mais desmotivador para o colaborador do que permanecer anos se dedicando para uma empresa e não conseguir nenhum aumento e, muito menos, uma promoção interna.

A partir de então, é comum que eles percam o interesse e realizem o serviço sem paixão ou propósito. É como se estivessem ali por obrigação — o que é totalmente compreensível, certo? Afinal, ninguém reconhece o serviço deles.

Em contrapartida, instituições que ofereçam planos de carreira bem estruturados apresentam uma equipe mais engajada e participativa. O motivo? Eles sabem que a conquista de cargos melhores depende, exclusivamente, do esforço e desempenho de cada um.

Por isso, não pensam duas vezes em vestir a camisa da empresa e ser profissionais de alta performance — aqueles que realmente fazem a diferença dentro da companhia.

Eles, nesse sentido, realizam atividades mais complexas e não esperam que as tarefas sejam delegadas. Afinal, sabem da importância de ter autonomia e querem estar um passo à frente. Em outras palavras, eles são mais proativos.

Aposte na gestão colaborativa

Já ouviu falar na gestão participativa? A principal característica dela é que os relacionamentos são pautados em uma comunicação aberta, horizontal e transparente. Isso possibilita que o gestor compartilhe o máximo de informações com os colaboradores. Apenas as estratégias mercadológicas e questões financeiras internas são mantidas em sigilo.

Como o próprio nome sugere, a gestão participativa nada mais é do que um sistema de administração que inclui os colaboradores nas decisões empresariais, principalmente naquelas que afetarão de alguma forma o trabalho deles.

Não pense que isso  significa anarquia ou bagunça — até porque não é todo mundo opinando sobre tudo dentro da organização. Existe todo um trabalho e processo para implementar o método.

Vale ressaltar que, mesmo nesse formato, o gestor deve exercer o papel de líder. A grande diferença é que, aqui, ele vai escutar e levar em consideração a opinião das pessoas envolvidas nos processos, em prol de aperfeiçoar a empresa como um todo. Agora que já entendeu o conceito da gestão colaborativa, acompanhe algumas estratégias para colocá-la em prática.

Realize reuniões periódica

Pense bem: qual a melhor forma de conseguir alinhar a equipe sobre os processos e atividades empresariais? É isso mesmo: realizando reuniões periódicas.

Claro que isso não significa promover encontros todos os dias. Uma vez a cada 15 ou 30 dias já é o suficiente. Não existe um número certo — só você sabe qual a quantidade ideal para a sua empresa, levando em consideração a realidade da organização.

Além do mais, não cometa o erro de estender demais as reuniões. Elas devem ser diretas e concisas. Até porque é difícil manter a concentração das pessoas por muito tempo, concorda? Nesse sentido, lembre-se de preparar bem a oratória e ser claro em relação aos assuntos pontuados. Não deixe ficar dúvidas nem utilize termos que transmitam ambiguidade.

As reuniões periódicas também apresentam-se como o momento ideal para expor gráficos e números sobre o desempenho da equipe e, claro, dos resultados. Com eles, inclusive, é possível apontar o que deve ser melhorado.

Promova a comunicação

A comunicação é a chave do sucesso nos relacionamentos — tanto pessoais quanto profissionais. O diálogo não só evita conflitos como também permite uma boa convivência entre equipe e alto escalão administrativo. Além do mais, a comunicação contribui com a manutenção de um clima organizacional saudável e harmonioso.

Por isso, é vital incentivar o diálogo no ambiente de trabalho. Converse com a sua equipe e mostre o quanto a comunicação vai facilitar o dia a dia empresarial. Nesse sentido, explique também o conceito da gestão colaborativa, ressaltando a importância de ter a participação de cada um.

Mostre que a empresa faz questão de receber feedbacks, comentários e opiniões — sejam negativos, sejam positivos. Somente assim é possível compreender o que os colaboradores pensam e, então, criar ações para aprimorar os processos e conquistar resultados promissores.

Lembre-os de que todos buscam o mesmo objetivo: a consolidação e crescimento da marca, frisando sempre que os frutos colhidos serão compartilhados.

Atente-se à questão comportamental

Enganam-se aqueles que pensam que a implementação da gestão participativa está ligada apenas às ações dos colaboradores. Claro que eles são parte vital do processo. Mas tão importante quanto isso é o comportamento adotado pela alta hierarquia e gestores.

Uma gestão autoritária, que apenas impõe funções e não vivencia o dia a dia da empresa, por exemplo, terá poucas chances de êxito no processo, uma vez que não conseguirá promover uma relação de comprometimento e fidelidade com a equipe.

O ideal, nesse contexto, é que a administração elimine os traços de comportamentos impositivos e adote uma postura diferente, baseada na confiança e respeito mútuo. O intuito é despertar nos colaboradores a vontade de participar e cooperar. Faz mais sentido, então, que a gestão se envolva, em vez de apenas mandar.

Incentive a participação

Sabia que a satisfação do time está diretamente ligada à sensação dele poder contribuir com o crescimento da instituição? Essa é a proposta da gestão colaborativa, que visa integrar toda a empresa aos objetivos e às metas de ampliação da marca.

Acredite: assim como é importante para a empresa ter o engajamento da equipe, é importante para os colaboradores se sentirem parte integrante e participar das conquistas.

Não esqueça que, ao partilhar a gestão, nada mais justo do que compartilhar também os méritos e as responsabilidades. Assim, os colaboradores se comprometerão com o serviço, realizando um trabalho de excelência. Importante frisar que, ao conseguir unir todos em prol das mesmas metas, fica mais fácil conseguir alçar voos mais altos.

Em suma, a autonomia no trabalho e a gestão participativa é um modelo ainda pouco utilizado pelas empresas, que mal sabem o quanto estão perdendo ao subutilizar as mentes e os talentos de seus funcionários. Os profissionais são o grande capital e diferencial competitivo das organizações, pois são as suas ideias que trarão a criatividade, a inovação e os resultados tão almejados.

É nesse contexto que a Working Better surge como uma forte aliada, uma vez que apresenta técnicas de atuação diferenciadas, ensinado a pensar e, principalmente, agir melhor. O resultado? Uma empresa fortalecida, com boas práticas, o que interfere positivamente na rentabilidade.

Quer saber mais sobre a autonomia no trabalho, além de compreender como a Working Better pode ajudar no assunto? Entre em contato com a gente. Será uma satisfação atender você!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-