Aprenda agora tudo sobre modelo de excelência de gestão e evolua sua empresa

7 minutos para ler

Neste artigo você vai saber como surgiu o modelo de excelência de gestão e como aplicar esse método para escalar e evoluir a sua empresa.

Na década de 80, em função do crescente aumento da competitividade, principalmente a japonesa, o governo dos EUA incentivou a formatação e popularização das boas práticas, identificadas em empresas de classe mundial e tidas como “ilhas de excelência”.

A intenção era difundir os bons métodos de atuação na gestão e operação das empresas, para que pudessem melhorar a produção, qualidade, assertividade e atratividade de seus públicos.

Essa é a primeira lição de excelência que todo gestor e empresário deve apreender:

A importância de atuar com metodologias, ferramentas e conceitos como alicerce para alcançar bons resultados, embora esse aspecto seja, muitas vezes, tratado erroneamente com preconceito ao ser classificado como algo teórico e burocrático.

Atrelado a ela pode-se estabelecer a segunda lição de excelência, que é o “aprendizado organizacional”, ou seja, assim como um profissional, a empresa deve aprender continuamente e também arquivar e dominar seu capital intelectual.

Isso apoia o objetivo de evolução da empresa, deixando-a mais forte e reduzindo sua dependência da expertise de um funcionário ou parceiro externo.

modelo de excelência de gestão

Muitos presidentes de empresas já relacionam a prática de um modelo de excelência de gestão à conquista de mercado, atratividade e lucratividade; e a adoção de métodos na empresa tende a gerar e designar a maturidade da gestão.

Inspirado no cenário americano, surgiu no Brasil, em 1992, a FNQ (Fundação Nacional da Qualidade) que promoveu a cultura da excelência e o uso de boas práticas, apoiada no Prêmio Nacional da Qualidade.

Recentemente a fundação atualizou seu MEG – Modelo de Excelência em Gestão, destacando os 8 fundamentos abaixo, que devem ser desenvolvidos no nível da coordenação estratégica da empresa:

Os Fundamentos do Modelo de Excelência de Gestão:

  1. Pensamento sistêmico; 
  2. Aprendizado organizacional e inovação; 
  3. Liderança transformadora; 
  4. Compromisso com as partes interessadas;
  5. Adaptabilidade;
  6. Desenvolvimento sustentável;
  7. Orientação por processos;
  8. Geração de valor.

Entendendo os Fundamentos do Modelo de Excelência de Gestão

Os fundamentos do Modelo de Excelência de Gestão são orientações para a agenda estratégica da empresa, ou seja, a presidência e a diretoria devem estar engajadas.

Ao ser desdobrado, esse modelo de excelência de gestão demanda várias ferramentas, conhecimentos específicos e esforços integrados de várias áreas da empresa, já que estão dirigidos para a geração de resultados e para tornar as empresas mais competitivas.

1) O Pensamento Sistêmico

De maneira objetiva, o “Pensamento sistêmico” destaca que a empresa é uma sequência de interações entre pessoas e departamentos (internos e externos), fornecedores, parceiros, intermediários, canais, etc., e que essa interdependência deve ser considerada.

modelo de excelência de gestão

2) Aprendizado organizacional e inovação

O “Aprendizado organizacional e inovação” aponta para um aspecto muito importante e que diversas empresas negligenciam:

Aprender constantemente e sempre buscar melhoria em tudo, já que quem não quer evoluir não precisa aprender nada, não precisa de novas competências.

Por conta disso a base para a inovação e a qualidade vem da postura de inconformismo e da melhoria contínua, e esse fundamento reforça a importância da empresa em manter ativa uma política de treinamentos para os colaboradores.

3) Liderança transformadora

O terceiro fundamento trata da “Liderança transformadora”, onde o líder não exerce apenas a função de controle, mas, prioritariamente, de orientação, inspiração, bons exemplos e busca da excelência.

4) Compromisso com as partes interessadas

O “Compromisso com as partes interessadas” incita o bom relacionamento e inter-relações entre os agentes e com as estratégias e processos no modelo de excelência de gestão.

5) Adaptabilidade

O quinto fundamento traz o conceito de “Adaptabilidade”, ou seja, a flexibilidade e capacidade de mudança em tempo hábil frente às novas demandas. Para tal, a empresa precisa estar sempre atenda às mudanças e exigências do mercado.

6) Desenvolvimento sustentável

Quanto ao “Desenvolvimento sustentável”, o MEG fala do compromisso da organização em responder pelos impactos de suas decisões e atividades, na sociedade e no meio ambiente.

7) Orientação por processos

O sétimo fundamento aborda a “Orientação por processos”, que valoriza a especificação do conjunto de passos e atividades que a empresa executa para funcionar bem, com eficiência e eficácia, na busca dos objetivos e entrega de valor aos públicos.

8) Geração de valor

O último item do MEG é a “Geração de valor”, que é a composição dos esforços para gerar, de forma integrada, os resultados econômicos, sociais e ambientais.

A partir desses 8 fundamentos têm-se a terceira lição de excelência, em que vale a análise e a aplicação dos fundamentos do MEG, mesmo que sua empresa seja pequena ou que não tenha um time de diretores profissionalizados.

Como trazer a excelência empresarial para o dia a dia da empresa?

O MEG da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade) traz referências e conceitos para uma boa gestão, sendo que sua aplicação envolve diversas áreas e competências dentro da empresa.

Ele deve ser tratado pela presidência e alta direção da empresa, e demanda o alinhamento de ferramentas específicas para cada fundamento.

Sendo assim, a partir do pleno entendimento de cada um deles, os gestores devem definir como atuar para aplicar na prática esses enfoques, e caminhar efetivamente para ter uma gestão em prol da qualidade.

modelo de gestão

Trabalhe melhor

A Working Better se inspirou no MEG e no compartilhamento da relevância de utilizar métodos com enfoque prático, para evoluir a gestão e operação da empresa.

O diferencial está no fato da Working Better trazer a soma de ferramentas efetivas para focos específicos, que ajudam na atuação dos fundamentos da FNQ, trazendo métodos práticos que possam se aliar aos conceitos do MEG.

Se você ainda não conhece a Working Better, ela é uma plataforma que auxilia empresas a trabalharem melhor, de maneira mais produtiva e mais assertiva, obtendo melhores resultados com menos desgastes e incertezas.

A plataforma oferece mais que cursos ou ferramentas, ela é uma “escola de empresas”, com a intenção de deixar a instituição mais preparada através dos colaboradores, e do uso de boas práticas, conhecimento e desenvolvimento de competências.

Essa proposta é tão completa que sequer é classificada como “curso” ou “treinamento”, mas como um “Modelo Prático de Gestão”, em que a empresa designa cinco funcionários para desenvolver o projeto do “Modelo de Excelência de Gestão” que tem:

  • Os conteúdos e conceitos;
  • Uma área online para preenchimento do projeto;
  • Fóruns para discutir os temas;
  • Uma biblioteca online para compartilhar e perenizar o aprendizado.

Um aspecto muito interessante da Working Better é que esses novos conhecimentos e competências não ficam apenas na cabeça de um funcionário, já que a ideia é que a empresa fique mais forte e preparada.

Os conhecimentos transmitidos aos cinco funcionários serão discutidos e aplicados em um projeto para a empresa, e disponibilizados para todos os demais colaboradores através da biblioteca online, ou seja, é uma capacitação e desenvolvimento para toda a empresa e não para apenas um funcionário.

Esse escopo auxilia diversos fundamentos do MEG como: “Pensamento sistêmico”, “Aprendizado organizacional”, “Liderança transformadora”, “Orientação por processos” e “Geração de valor”.

Através da Working Better você tem a quarta lição de excelência, que é evoluir sua empresa, e a quinta lição de excelência, em que a empresa deve preparar sua equipe para desenvolver projetos práticos alinhados às demandas estratégicas para ter uma atuação mais profissional e assertiva.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-